quarta-feira, 8 de abril de 2015

Se liga na programação do Cineclube Cinema UNISUL no Cinema do CIC  para as próximas semanas!


quinta-feira, 2 de abril de 2015

I Mostra de Cinema Marcas da Memória

A I Mostra de Cinema Marcas da Memória acontecerá entre os dias 6 e 9 de abril nos campi UNISUL Tubarão e UNISUL Pedra Branca.

A mostra contará com uma palestra de abertura e seguirá durante a semana com apresentação de documentários sobre Ditadura, com o objetivo de realizar sessões públicas e gratuitas de filmes produzidos pelo Projeto “Marcas da Memória” da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Os filmes são dedicados ainda à memória e à reflexão crítica sobre os regimes de exceção vividos na América do Sul, em especial no Brasil, e seus reflexos no presente.

Os participantes recebem certificado de 4h por participação em cada dia do evento. As inscrições são gratuitas, porém o número de vagas é condicionado ao número de acentos dos auditórios. Interessados devem se inscrever aqui. Mais informações abaixo:

_______________________________________________________________________________

Programação

Campus Tubarão
6/4 - Segunda-feira
Das 19h15min às 22h | Espaço Integrado de Artes
Palestra de Abertura: “O golpe de Estado de 64: uma data para reflexão”
Palestrante: João Vicente Goulart, presidente do Instituto João Goulart e filho do presidente João Goulart

7/4 - Terça-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório 211, Bloco Pedagógico
Documentário: “Repare Bem”

8/4 - Quarta-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório 211, Bloco Pedagógico
Documentário: “Os Advogados contra a Ditadura”

9/4 - Quinta-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório 211, Bloco Pedagógico
Documentário: “Anistia 30 Anos”

Campus Grande Florianópolis
7/4 - Terça-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório Bloco C
Documentário: “Retratos de Identificação”

8/4 - Quarta-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório do Bloco C
Documentário: “Repare Bem”

9/4 - Quinta-feira
Das 19h15min às 22h | Auditório do Bloco C
Documentário: “Eu me lembro”

Responsável: Andréia da Silva Daltoé, professora da Unisul
Contato: Telefone: (48) 3621 3369 E-mail: andreia.daltoe@unisul.br

Endereços

Campus Tubarão
Unidade Universitária Tubarão
Avenida José Acácio Moreira, 787
Bairro Dehon – Caixa Postal 370
88704-900 – Tubarão – SC

Campus Grande Florianópolis
Unidade Universitária Pedra Branca
Av. Pedra Branca, 25
Cidade Universitária Pedra Branca
88137 270 - Palhoça - SC

Inscrições abertas 19º Festival Brasileiro de Cinema Universitário

Estão abertas, até 30 de abril de 2015, as inscrições para a Mostra Competitiva Nacional de Curtas,
do 19º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO, que vai ocorrer no Rio de Janeiro e Niterói em agosto de 2015.

Para o festival, podem ser inscritos curtas realizados por estudantes de cinema/audiovisual ou por universitários, de qualquer área de conhecimento, de todo o Brasil. O evento também exibe e aceita inscrições de longas realizados por universitários.

Inscrições no site: www.fbcu.com.br Mais informações: competitiva@fbcu.com.br

sexta-feira, 27 de março de 2015

Cinema UNISUL recebe sessão da 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos do Hemisfério Sul

O evento acontecerá nos dias 30 e 31 de março, no Estúdio 2 (Bloco A1) da UNISUL Pedra Branca.

O curso de Cinema UNISUL vai sediar uma sessão especial da 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos do Hemisfério Sul. O evento contará com sessões gratuitas de filmes selecionados para a última edição da mostra, incluindo CABRA MARCADO PARA MORRER, de Eduardo Coutinho.

As exibições acontecerão na segunda (30), terça (31) e quarta-feira (1/4), à partir das 14h, no Estúdio 2 (Bloco A1), na UNISUL Pedra Branca.

Confira abaixo a programação completa do evento:

Segunda-feira (30)
14h - curta-metragem SOPHIA
14h20 - longa-metragem A VIZINHANÇA DO TIGRE
16h -  curta-metragem PELAS JANELAS
16h40 -  longa-metragem RIO CIGANO
19H - longa-metragem CABRA MARCADO PARA MORRER

Terça-feira (31)
13h - longa-metragem QUE BOM TE VER VIVA
14h45 - curta-metragem SOPHIA
15h -  longa-metragem A VIZINHANÇA DO TIGRE
16h40 -  longa-metragem RIO CIGANO

Quarta-feira (1/4)
13h - curta-metragem PELAS JANELAS
13H45 - longa-metragem QUE BOM TE VER VIVA
16h00  - longa-metragem CABRA MARCADO PARA MORRER

Terra Cabocla no CIC

Nesse sábado (28) tem estreia do filme TERRA CABOCLA, de Márcia Paraíso e Ralf Tambke, no Cinema do CIC. O documentário de 82 minutos mostra a a resistência da cultura cabocla 100 anos após a Guerra do Contestado.

O projeto foi contemplado no edital da Fundação Catarinense de Cultura. A estreia acontecerá no sábado, dia 28 de março, às 20h no Cinema do CIC. A entrada é gratuita.

Confira abaixo mais informações sobre o filme.

Passados cem anos de uma guerra de extermínio da população tradicional da região do Planalto Catarinense - a Guerra do Contestado - a beleza, a intensidade e a fé que se traduz na força de resistência cultural do povo Caboclo, o representante original da população de Santa Catarina. O documentário Terra Cabocla, que será lançado dia 28 de março no cinema do CIC, em Florianópolis, apresenta a Guerra do Contestado dando visibilidade à população cabocla. A voz, os costumes, a cultura, a religiosidade dos caboclos – e, especialmente, das mulheres caboclas – montadas paralelamente com depoimentos de pesquisadores que têm se dedicado à temática do Contestado, revelando o quanto o tema é pouco compreendido e pouco discutido, como uma opção política de silenciamento que se manteve, até os dias atuais.

Dirigido por Marcia Paraiso e Ralf Tambke – que assinam também pesquisa, roteiro e fotografia, respectivamente - o filme de 82 minutos percorreu a região do Planalto Catarinense buscando registrar nas antigas comunidades chamadas “redutos santos”, a raiz cabocla que se mantém viva, a partir da força mobilizadora de algumas lideranças locais. A questão da luta pela terra, o preconceito e a forte desigualdade social que mantém a região com o menor índice de desenvolvimento humano no estado de Santa Catarina, ainda é reflexo da guerra e do descaso do poder público. O predomínio da monocultura – do pínus, do eucalipto e da maçã – com sua geração de subempregos e trabalhos temporários, as empresas estrangeiras, a ausência de boas estradas e o abandono total de todo patrimônio histórico relacionado ao Contestado – cemitérios, crematórios, ferrovia, construções – expõem a forma de apagamento de uma história de luta feroz por resistência.

Abraçando e emoldurando “terra cabocla”, a fé e o amor pelo monge – seja ele João Maria ou José Maria – não importa. A semente da luta pela terra e a compreensão da riqueza que está na vida natural e seus frutos, assim permanece, perpetuando-se por gerações.

Recomendado à todos aqueles que querem entender a Guerra do Contestado além dos dois parágrafos dos livros didáticos.

Dois estados em um

De um lado um estado rico, com indústrias, agroindústrias e uma pujante economia impulsionada também pelo sucesso e crescimento da agricultura familiar. No Planalto Catarinense, o contraste: o emprego temporário, seja na colheita da maçã ou na extração do pínus, mantendo, anos a fio, gerações sempre a margem – da terra, da educação, do consumo. Nos acampamentos sem terra a marca está no rosto da maioria – o traço caboclo, daqueles que, originalmente, pertenciam àquele território e, pós guerra, pós os inúmeros projetos de colonização européia e gaúcha, foram empurrados para a periferia urbana favelizada e tentam, com as ocupações, via movimentos sociais organizados, retornar a origem e reocupar a terra que lhes foi tirada e negada.

A família Palhano, no município de Taquaruçu, lugar conhecido como Cidade Santa, é um exemplo de anos de silêncio e quietude, ilhados e empurrados pra periferia, em meio à terra “gringa” - dos italianos e alemães que chegaram na região no pós guerra. A fé em São João Maria está presente em figuras como Lili Palhano e sua “reza de rendedoura” aprendida com a tia-avó, ou na rusticidade das orações e rituais de recomendações de almas e batizado nas águas bentas pelo monge João Maria, liderados por Ezanir Prates. Na zona rural de Lebon Régis, a família Belli mantém a tradição de rezar o terço caboclo, que mistura palavras de guerra e religiosidade.

TERRA CABOCLA revela toda a força e riqueza de uma cultura que resiste e se renova, na legião de seguidores da fé em São João Maria, e naqueles que acreditam ainda em um modelo de vida que rompe com o sistema de acumulação de bens e riquezas. Após o lançamento em Florianópolis, Terra Cabocla parte para as exibições itinerantes por toda a região do Planalto Catarinense, com ênfase nas comunidades que colaboraram e se envolveram na realização do documentário. Para Marcia Paraiso, que fez a pesquisa do filme e divide a direção do documentário com Ralf Tambke, a realização do documentário foi como mergulhar em uma história apagada, silenciada. “Estudei na escola na época da ditadura militar e, na cartilha de história, tínhamos um capítulo sobre a Guerra de Canudos e 1 parágrafo sobre a Guerra do Contestado. Ou seja, não entendi a guerra, nem mesmo superficialmente. Vim morar há 11 anos em Santa Catarina e nunca, jamais tinha ouvido falar sobre o povo caboclo catarinense, mas abria os jornais, conversava com pessoas e o que chegava para mim era o tanto que esse estado é italiano, é alemão, é polaco, é branco, é europeu. Mas quando convivemos com as populações no campo, percebemos o quanto a cultura cabocla foi incorporada pelos imigrantes europeus e não ao contrário. E o quanto essa cultura resistiu, está viva, mesmo com todo o genocídio praticado contra esse povo. O Terra Cabocla é uma tentativa de dar visibilidade a cultura cabocla que taí, com toda a sua força, mas que não é visível para todos. E não há muito esforço para valorizar ou dar visibilidade aos caboclos.”

Equipe técnica:
roteiro, pesquisa e produção – Marcia Paraiso
direção – Marcia Paraiso e Ralf Tambke
direção de fotografia – Ralf Tambke
câmera – Clóvis Ghiorzi
som direto – Juliana Baratieri e Gustavo Aguiar
montagem – Glauco Broering
trilha original – Luiz Gayotto
edição de som – Breno Furtado
mixagem – Alexandre Jardim


Trailer do documentário "Terra Cabocla" from Plural Filmes on Vimeo.

terça-feira, 24 de março de 2015

I Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

de 07 a 9 de abril 
(Campus Universitário da Grande Florianópolis/Pedra Branca)

Objetivo: promover sessões públicas e gratuitas de filmes, produzidos pelo Projeto Marcas da Memória da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e dedicados à memória e à reflexão crítica sobre os regimes de exceção vividos na América do Sul, em especial no Brasil, e seus reflexos no presente. 

Público-alvo: educadores e alunos da Universidade e do Ensino Médio da região.

Inscrições: gratuitas, realizadas na sala do evento.

Dia/horário
Mostra de Documentários
Responsáveis
07/04 (terça)
das 19 às 22
Auditório do Bloco C
Retratos de identificação
Curso de Cinema e PPGCL
Debatedora: Ramayana Lira
                      
08/04 (quarta)
das 19 às 22
Auditório do Bloco C
Repare bem
 PPGCL
09/04 (quinta)
das 19 às 22
Auditório do BlocoC
Eu me lembro
 PPGCL

“Retratos de identificação” (2014; 71 min; 12 anos)
Direção: Anita Leandro
Sinopse: Dois ex-guerrilheiros que lutaram contra a ditadura militar se deparam, pela primeira vez, com fotografias tiradas pela polícia no momento de suas respectivas prisões e processos de banimento. O passado retorna. Espinosa testemunha sobre o assassinato de seu amigo Chael Schreier, sob tortura, e Guarany relembra a vida no exílio, sem documentos, e o suicídio de sua companheira, Maria Auxiliadora Lara Barcellos, em Berlim. 

“Repare Bem” (2012; 105 min; 10 anos)
Direção: Maria de Medeiros
Sinopse: Neste filme, vencedor do kikito de melhor filme no Festival de Gramado de 2013, a diretora Maria de Medeiros realiza o documentário sobre ditadura, por meio da história de três gerações de mulheres. As câmaras registraram em Roma e em Joure, no norte da Holanda, os testemunhos de Denise Crispim e de sua filha, Eduarda Ditta Crispim Leite. Apesar de longe do Brasil, suas palavras, que falam de exílio e de memória, levam-nos a um mergulho profundo na história do Brasil, dos anos 70 até a atualidade. Denise já nasce clandestina em 1949. Seus pais, extremamente politizados, lutaram por uma vida mais justa e são por isso perseguidos por sucessivas ditaduras. Aos 20 anos, Denise torna-se companheira de um guerrilheiro, Eduardo Leite, morto no governo militar brasileiro. Ao fugir para o Chile, reencontra seus pais, também exilados. Lá, ao lado da filha Eduarda, Denise e a mãe vivem a repressão de Pinochet e se separam novamente, para viver na Europa.

“Eu me lembro” (2012; 96 min; 12 anos)
Direção: Luiz Fernando Lobo
Sinopse: “Eu me Lembro” é um documentário sobre os cinco anos das Caravanas da Anistia e reconstrói a luta dos perseguidos por reparação, memória, verdade e justiça, com imagens de arquivo e de entrevistas em 94 minutos.